Segunda-feira, 27 de Dezembro de 2010

Presidenciais

Tido e havido como um economista de reconhecido mérito, o actual e  candidato a Presidente da Republica Portuguesa Prof Dr. Cavaco Silva, será, a meu ver, o candidato com mais qualificação para o exercício de tal cargo. Não menosprezando as qualidades humanas e as "honestas" intenções dos restantes candidatos, parece-me uma  perda de tempo os debates televisivos entre si, quer pela manifesta impreparação para o cargo dos restantes , quer pela não observância dos assuntos que realmente interessam ao País.

 

Sabido que uma parcela bem razoável de votantes em Portugal, vota sem a mínima ideia das atribuições atinentes a um Presidente da Republica em Portugal, ainda assim, atrevo-me a vaticinar que o Dr. Manuel Alegre terá uma votação que será o espelho dessa realidade, conjuntamente com os votos de obediência partidária.

 

Quanto aos restantes candidatos, a sua candidatura  apresenta-se como meramente figurativa, excepção feita ao Dr Fernando Nobre que, mercê da  sua clamada isenção partidária conseguirá os votos de todos aqueles que vêm nos partidos a raiz do mal que nos apoquenta.

 

O que supra se explana, é tão somente uma opinião pessoal e não representa um juízo de valor dos visados, nem tão pouco o sentido de voto do modesto escriba destas linhas, visto que, posso garantir, o meu voto será em branco. E porquê? Porque entendo que o candidato Prof. Dr Cavaco Silva não deveria ser candidato a P.R. mas sim, Ministro da Finanças ou Primeiro Ministro. Aí sim, em qualquer destes cargos o seu desempenho seria concerteza notável, pois para tal, tem competência, rigor e honestidade já demonstrada.

 

Um PR que actue nos estritos limites do que a lei lhe confere (e isso ele sempre respeitou) não dispõe de meios que possam alterar ou inverter o sentido desastrado de uma governação incompetente, esbanjadora e servidora de clientelas partidárias. A não ser que, dissolva uma Assembleia da Republica livre e democraticamente eleita e, em consequência, haja que suportar os ataques de toda uma cáfila de putativos jornalistas que vivendo as expensas do Governo se encarregarão de o crucificar politicamente perante a opinião pública.

 

Como isto será coisa que Cavaco Silva jamais fará, não terá o meu voto nas próximaqs eleições! Tão pouco os restantes o terão, pois que, nem a trovejante bravata do Dr Alegre, o seguidismo do candidato do partido comunista, a duvidosa isenção partidária do Dr Fernando Nobre, ou o natural eclipse dos restantes, me convencem de que tenham a necessária preparação para um desempenho digno do cargo a que se propõem.

 

Como solução governativa atrevo-me mais uma vez a sugerir um Governo formado por uma selecção de políticos seleccionados [ou mobilizados] de entre os mais competentes que, governando por um periodo excepcional sob a tutela apertada de um colégio de supervisores, ao País apresentariam resultados dessa governação.

 

Mas, como ficou dito no Post UTOPIA, esta solução não passa disso mesmo: uma utopia.

 

publicado por etario às 23:25
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 19 de Dezembro de 2010

A DIREITO V

Da leitura de mais um excelente artigo da Professora Doutora Fernanda Palma publicado hoje "in CORREIO DA MANHÃ" se extrai que o princípio da necessidade,  releva no julgamento das condutas daqueles que, por necessidade extrema das suas necessidades primárias  violam o direito de propriedade de outrem.

 

Em continuação, explica a Douta  articulista, que só utilizada como última razão tal prática tem a atenuante conferida pelo do Direito, pois que, a satisfação das necessidades básicas do individuo no limiar da sua sobrevivência tem um valor infinitamente superior aos bens materiais que o Direito tutela. [ fim de citação]

 

Isto já era assim na Idade Média e actualmente ganha relevo com as desigualdades sociais criadas pelo sistema económico vigente na maioria dos Países civilizados ou, tidos como tal.

 

A injusta distribuição da riqueza em que uns concentram fortunas ofensivas, obtidas à custa da miséria de outros, é geradora de  desigualdades materiais e sociais que actualmente estão no limiar da indigência material e "social" de uma maioria que estóica e silenciosamente vem suportando carências de meios de satisfação das suas necessidades primárias.

 

E que resposta terá o Direito na avaliação de casos de violação do direito de propriedade  levadas a cabo por estes desvalidos como ultima razão da satisfação dessa necessidades primárias?

 

Relembra-se que o direito real de propriedade é um direito -erga omnes- ou seja, "contra tudo e contra todos" e, a  violação deste direito constitui infracção punida por lei.

 

Então um individuo faminto, com uma família igualmente faminta, que como última razão invade a propriedade de outrem para daí retirar o suficiente para mitigar as necessidades alimentares imediatas da sua família deve ser condenado por roubo? E se sim, deve ser-lhe aplicada a pena máxima para esse tipo de ilícito?

 

E, se cumulativamente essas necessidades advierem de causas de exclusão impostas por uma sociedade egoísta e desumanizada onde os valores  se medem pelo ter e não pelo ser , em que, a dignidade humana é frequentemente relegada para níveis de regressão inimagináveis? 

 

Felizmente, em Portugal vigora o Princípio da necessidade; Nestas situações as condutas do infractor serão sempre analisadas pela óptica de um bom pai de família, que ponderadamente julgará em função deste Princípio; ou seja, desde que o sacrifício seja manifestamente inferior ao bem sacrificado o infractor terá uma pena substancialmente reduzida.

 

Notas:

1º A aplicação do principio da necessidade não poderá aproveitar aos que reiteradamente e por opção se colocam na posição de obtenção     desse benefício.

 

2º Se mesmo através de normas de discriminação positivas, houvesse uma preocupação de manutenção da dignidade humana e de justa distribuição dos benefícios, as sociedades teriam sempre as suas ilhas de diferenças motivadas pelo mérito de alguns. mas jamais os níveis vergonhosos de exclusão social e material actuais, impróprios de uma sociedade que se diz civilizada.

 

 

 

publicado por etario às 22:19
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. ...

. PRIVATIZAÇÕES

. A BEM DA NAÇÃO

. FEUDALISMO

. ORDEM DOS ADVOGADOS

. DARDOS/HIPOCRISIA

. INCÊNDIOS

. Dardos

. POBRE POVO

. Respeito

.arquivos

. Abril 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds