Domingo, 16 de Março de 2008

TERRORISMO

Nos dias onze e doze de Março de 2008 decorreu na Universidade Autónoma de Lisboa, um seminário cujo tema era: "Terrorismo um fenómeno atemporal" e ao qual tive o grato prazer de assistir.

Da mesa de oradores faziam parte nomes sonantes da vida académica e da política, pois o tema é, do maior interesse e actualidade.

Pelas datas do seminário se infere, que se pretendia não deixar passar em claro o atentado de 11 de Março na estação de comboios de Atocha nos arredores de Madrid.

Das extraordinárias lições proferidas pelos oradores retive alguns paços que considero da maior importância  para a compreensão (ou pelo menos para a tentativa) do fenómeno terrorista à escala global. Lamento não ter capacidade de síntese para poder transcrever tão sublimes intervenções, mas, na medida das minhas limitações procurarei transmitir o retido.

 

Verificou-se com agrado, que o governo Português, "assim como cada Estado Membro "de per si" em todo o espaço comunitário Europeu estão empenhados numa acção concertada de prevenção contra o fenómeno terrorista. Tudo está a ser feito com discrição e sem alarmismos, pois o contrário seria  (segundo foi por várias vezes referido) fazer o jogo daqueles que a todo o custo  pretendem infernizar a Europa e os restantes países do globo . 

Mas, ficou claro, que o fenómeno é de difícil erradicação. Dado  que, as acções provêm de grupos fundamentalistas e radicais que ao utilizarem meios que fácilmente disseminam entre a população, tornam díficil esse processo. Usando  meios técnicos sofisticados de   recrutamento (sites na net ) centralizados nas camadas jovens que, por uma ou outra razão se sentem marginalizados do meio em que vivem, com especial predominância para a juventude   e descendentes da diáspora árabe na Europa, mormente a que vive nos grandes meios urbanos, estes grupos fundamentalistas e radicais encontram um vasto campo de recrutamento junto dessa juventude.

E, sabe-se como é fácil instrumentalizar a juventude, (veja-se a vaga de incêndios de vaturas em França) levando-a, após autenticas lavagens cerebrais, à prática de actos de onde não há regresso.

Nota dominante em todos os discursos foi a de que o Islão não é uma religião de guerra, ou tão pouco fomentadora de actos de barbárie! O Islão, tem infelizmente no seu seio,  grupos de fundamentalistas radicais que sob o dogma da religião, e na crença da defesa e purificação da alma praticam actos de brbárie em nome do seu Deus, que para eles, é o único Deus , sendo todos os outros infiéis ,  impuros e por isso merecendo morrer. Consideram-se pois, ao serviço de Deus e executando a vontade de Deus quando empreendem acções de cujos efeitos resultam os maiores horrores para a humanidade` Foi ainda atribuído aos meios de comunicação "especialmente ao audio visual" uma cota de responsabilidade,  porque, pese embora a sua missão de informar deveria ter mais cuidado no tratamento dessa informação evitando assim a amplificação do efeito de espectularidade que é, em ultima rácio, o objectivo do terrorismo, ou seja: pela demonstração à escala global dos efeitos dos atentados, os terroristas sabem que a população entra naturalmente em estado de terror psicológico.

Deixaram claro os oradores, (especialmente os especialistas em direito Islâmico), que não se pode ver em cada muçulmano um terrorista, pois isso, equivaleria a ver em cada cristão um criminoso se um pequeno grupo de fanáticos cristãos cometesse os mesmos crimes. Outro sim, deverá ser, tanto quanto possível,  fomentada a plena integração dessas comunidades.

 

Foi, na realidade, um seminário rico em esclarecimentos dado que o tema é apaixonante e actual não deixando ninguém indiferente. Foi também debatido o fenómeno do financiamento desses grupos, e daí se pode inferir que ninguém está isento de culpas, visto que, os paraísos fiscais são um meio de camuflagem para o financiamento destas

 organizações.

 

Como consequência do que ouvi, fiz uma reflexão, (e, ela vale o que vale), tendo chegado à conclusão de que  deveriam ser facultados a todos, ensinamentos que permitissem olhar o fenómeno com calma, sem alarmismos exagerados e estar atento ao mínimo sinal de perigo. Que não é pela guerra que se vence a guerra; a guerra só terá razão de ser  se for para alcançar a paz., e, na justa medida das necessidades a tal fim. 

Que estão  identificadas as causas do terrorismo (pelo menos assim pensam os politólogos), estão localizadas as suas fontes de recrutamento, estão igualmente localizadas as suas fontes de  financiamento, e tanto uma como outra, não serão impossiveis de reduzir ou até eliminar, assim os homens queiram. As causas, essas sim,  é que serão o problema!

Vamos ter esperança.

 

Nota pessoal: ficou-me  a impressão, de que os intelectuais que estudam este e outros problemas , e mesmo os legisladores , vivem num limbo  que lhes dificulta a clara percepção do que é o mundo real, ou seja: as consequências materiais que estarão subjacentes a cada lei que não preveja e estipule em conformidade com as sequelas que jamais deixarão de acompanhar as vítimas, e, ou os seus familiares. Pese embora a  subordinação das leis penais  ao princípio da proporcionalidade , pese ainda o factor social subjacente na maioria dessas normas penais, como explicar à vítima, ou aos seus familiares, que o agente causador de um dano, tantas vezes irreparàvel foi condenado com uma pena que proporcionalmente funciona a "contrário sensu", ou seja: a pena é inversamente proporcional ao crime cometido e na maioria das vezes "por imperativos de ordem social" só parcialmente cumprida.

É que, o conhecimento prévio da brandura das penas poderá motivar o hipotético agente causador de dano, a sê-lo de facto. 

Argumenta-se, que nos casos de terrorismo, o agente actua com o risco da própria vida sendo indiferente ao rigor da lei. Contudo, nem sempre assim é, e tem de haver a consciência de que as penas são severas e  totalmente cumpridas.

 

 

 

publicado por etario às 15:09
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. ...

. PRIVATIZAÇÕES

. A BEM DA NAÇÃO

. FEUDALISMO

. ORDEM DOS ADVOGADOS

. DARDOS/HIPOCRISIA

. INCÊNDIOS

. Dardos

. POBRE POVO

. Respeito

.arquivos

. Abril 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds