Terça-feira, 12 de Agosto de 2008

MODERAÇÃO

Seria bom que os legisladores vissem televisão, vivessem as realidades do dia-a-dia como qualquer cidadão comum, e duma vez por todas tomassem a consciência da diferença entre a realidade e a utopia. É obvio, que a realidade são os factos ocorridos e passivos de serem sancionados por lei penal; lei penal forte, e de cuja aplicabilidade  nem por um momento se duvidasse, especialmente os autores de factos danosos. A utopia é, os legisladores  auto convencerem-se  que legislam para uma classe de individuos que cometem os factos danosos na inconsciência dos factos que praticam, e das consequências daí advindas. Nada de mais errado; pese embora todas as preocupações de humanismo, presente em cada elaboração de lei penal sancionadora, o facto é que, hoje em dia, o delinquente (pese embora algumas excepções) sabe perfeitamente da brandura das nossas leis, especialmente as leis penais. Sabem igualmente, que os agentes da autoridade,  mesmo actuando no exercício das suas funções, tem o exercício dessa autoridade castrado por legislação que regra geral visa apenas a protecção do agente da prática do facto danoso.

 É comum a publicação na comunicação social de ocorrências em que o agente da prática do delito ofende e agride os agentes da autoridade, e, após audiência, o juiz o coloca em termo de identidade e residência, voltando a repetir-se os mesmos crimes por parte desse delinquente e a consequente repetição da sentença. Não se pense que é somente o juiz (o Juiz actua no princípio da obdiência à lei)  o responsavel pela medida que põe em liberdade (a aguardar julgamento) a maioria dos autores confessos de crimes cuja moldura penal é a prisão efectiva. Os verdadeiros responsáveis do estado de degradação e falta de respeito pelas  autoridades a que se chegou, são na realidade os legisladores e os políticos que aprovam tais leis. Os primeiros, por não descerem à realidade da vida optando por viver numa bolha de humanismo, hermética, onde em primeiro lugar estão a defesa dos direitos do delinquente e só depois os direitos da vítima inocente dessa delinquência. Os segundos, porque aprovam essas leis, na obdiência cega aos ditames dos partidos a que pertencem, esquecendo a função primeira do político, ou seja: a defesa do povo que o elegeu, e não agindo e  actuando, numa lógica aritmética de contagem de votos.

Todo este estado de coisas levou, naturalmente, a uma descrença na justiça. Desde o cidadão comum que vê a justiça ser-lhe denegada, ao agente da autoridade que se vê achincalhado e agredido por qualquer bandidozeco, até ao criminoso que se sente impune ao ponto de disparar sem qualquer pudor contra as autoridades, todos têm a sensação de que o crime não tem castigo.

 

Pois bem, perante os ultimos acontecimentos, (veja-se o assalto ao BES e o assalto à quinta de Loures) do qual resultaram dois mortos, haverá que retirar as devidas elações, ou seja: os factos e as consequências; no primeiro caso, é certo que após tantas horas de negociações os assaltantes se recusaram a render e libertar os reféns inoicentes de cuja fim se desconhecia o desfecho.

No segundo caso, pressente-se a tal falta de respeito pela vida (levando à tentativa de atropelamento) dos agentes da autoridade e a certeza do conhecimento da brandura das leis para casos semelhantes.

 

Não obstante a convicção de impunidade demonstrada  pelos delinquentes (quer num quer noutro caso), e, da quanto a nós, correcta actuação das autoridades, a verdade é que, não pode transparecer para a opinião que os agentes da autoridade podem disparar a seu belo prazer nos momentos e em quem  entenderem, mas, que os delinquentes fiquem com uma ideia de que autoridade é, isso mesmo,"autoridade" e lhe assiste o direito de legitima defesa no respeito pelo principio da proporcionalidade.

publicado por etario às 22:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 7 de Agosto de 2008

LOUCOS

O mundo está louco! Melhor, algumas pessoas estão loucas; algumas pessoas, como é bom de ver, estão num estágio de loucura que merece internamento em clinica psiquiátrica.

Não mereceria reparo, se essas manifestações de loucura proviessem de pessoas "ditas anormais" mas, se provêm de pessoas que têm a obrigação e o dever de responsabilidade naquilo que dizem, e desempenham cargos públicos, ou pretendem vir a desempenhar, então o caso muda de figura.

Vejamos então o motivo que leva a apelidá-los de loucos, "fazendo entretanto os comentários que  parecem pertinentes".

 

É sabido, ou pelo menos assim se pensa, que a homossexualidade sempre existiu. Para uns, é um desiquilibrio hormonal, para outros, uma disfunção psicilógica e para muitos, uma aberração e deboche social. Não cabe aqui debater as causas que levam à homossexualidade, mas, clinicamente  se sabe, que na maioria dos casos a homossexualidade provém de um desiquilibrio hormonal . Tais desiquilibrios chegam nalguns casos a dotar um corpo marcadamente feminino, com orgão explicitamente masculino ou vice-versa. Não se alongará mais as causas e os efeitos da homossexualidade, até porque, não são reconhecidos conhecimentos para o fazer de molde cientifico, outro sim,  serão analizados os comportamentos correlacionados, numa perspectiva puramente pessoal.

 

Numa perspectiva de mente aberta, ( ou de politicamente correcto) aceita-se excepcionalmente (por razões de direito), o casamento civil homossexual, ou seja: um casal  homossexual vivendo a sua homossexualidade intra muros e no dia -a-dia convivendo como se  de um casal se tratasse, vê a sua posição juridicamente complicada em termos de aquisição em comum, e, ou futura partilha de bens de raíz , nomeadamente no que concerne à obtenção de empréstimos bancários para compra de habitação, direitos fiscais etc.

Já a exibição pública dessa homossexualidade é condenável, por se tratar de uma situação contra-natura,  ou seja: homem com homem ou mulher com mulher.

 

Que dizer então, da posição públicamente assumida por políticos ´com assento na Assembleia da Républica em que defendem não só o casamento homossexual como um acto natural, como ainda a adopção de crianças por estes casais homossexuais.

Refere-se, concretamente, as posições assumidas pelo Bloco de Esquerda. A opinião pública tem ignorado estas posições talvés devido à fraca expressão política deste partido, mas, o caldo entorna quando as mesmas posições são assumidas e defendidas por um partido que é Governo.

Com a devida vénia transcrevo o  que veio publicado na página 15 do Correio da Manhã do dia 7/08/2008.

"Lider Jota, Duarte Cordeiro, também é a favor da adopção de crianças por casais homossexuais e acredita que PS e restante esquerda possa fazer a alteração.(sic)

 

Mesmo que razões de caracter pessoal influenciem estas tomadas de posição, cabe perguntar aos seus defensores se já pensaram no tipo de educação ou orientação sexual que terá uma criança educada num ambiente contra-natura, ou seja: em que diariamente vê um homem a beijar um homem, ou uma mulher a beijar uma mulher, e, provavelmente a assistir a manifestações de intimidade entre eles. No contacto com outras crianças, (criadas em ambientes de pai e mãe, ou adoptadas por homem e mulher) que pensará da sua condição a criança adoptada por um casal homossexual ? Pensará que tem dois pais, ou duas mães? Qual será a  futura orientação sexual dessa criança?

Virá a formar mais um casal homossexual?

Os casais homossexuais estão em condições de naturalmente procriar? Tenham juízo, e vivam a vossa homossexualidade em casa, na intimidade dos Vossos quartos e não pretendam impingir à sociedade como normal, os vossos desarranjos hormonais, ou disfunções psiquicas, as vossas aberrações, deboche social ou lá o que lhe queiram chamar, e deixem as crianças em paz.

Vós sois loucos.

 

publicado por etario às 22:48
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 3 de Agosto de 2008

A BRIGA DO VIAJANTE

Nos idos anos de 1950, as Fazendas não eram a progressiva vila que hoje é; não passava então de alguns aglomerados  de casais  que formavam bairros ( a que nós davamos e ainda damos, o nome  de cantos). Claro que as ruas (hoje alcatroadas) não passavam de  trilhos ladeados de valados de terra que delimitavam as propriedades, e nalguns casos impediam a invasão das enchurradas no Inverno. Mas, uma coisa era certa; as Fazendas eram tidas como tendo o melhor vinho branco que se bebia e as suas gentes hospitaleiras.

Os bairros ( a partir de agora serão chamados cantos) rivalizavam entre si para ver quem tinha o melhor branco, as moças mais bonitas e o maior status de riqueza, muito embora, mesmo o mais rico entre eles continuasse a ser pobre.

O centro cívico de cada canto era a taberna normalmente contigua a uma mercearia e nalguns casos havia também a barbearia. Quando o canto tinha duas tabernas e mercearias, isso era simbolo de status social para os naturais desse canto já que, isso simbolizava poder económico.

 

A história que me proponho contar hoje foi parcialmente vivida e presenciada por este humilde escriba, numa época de meninice e trabalhador precoce (hoje seria chamada exploração de mão de obra infantil), pois desde menino que vendia copos de vinho e pesava quilos de arroz na taberna e mercearia de minha mãe, junto a cujo balcão nasci.

 

Como disse, as tabernas e mercearias eram o centro cívico dos cantos pois era aí que se sabiam as novidades da terra e se debatiam os problemas da agricultura, tudo acompanhado de uns copázios de branco , jogos de sueca e bisca lambida.; claro que, de quando em vêz, (especialmente ao sábado à noite) os ânimos ficavam mais exaltados e havia velhas questões de limites de propriedade ou conquista da mesma dama resolvidas a murro, mas, no outro dia tudo estava bem.

 

Para abastecer estas tabernas e mercearias  havia uma figura típica, que era o viajante.

O viajante era um  funcionário de um rmazém de mercearias (dos vários que havia em Santarém) que percorria as mercearias do lugar montado numa bicicleta de pedal em cujo quadro adaptava uma pasta de cabedal onde guardava as notas de encomenda, os livros de recibos e o dinheiro cobrado aos clientes. Não havia  (tal como hoje) assaltos, e estes vendedores chegavam a transportar quantias razoàveis de dinheiro.

Eram personagens que se vestiam de uma maneira mais formal, usando inclusivamente gravata o que lhes dava o direito, de em surdina, serem apelidados de pi-pis, já que,gravata

era coisa só usada em casamento e não era em todos;  (um dia ainda lhes conto uma história do fazedor de nós de gravata).

 

Apresentados os personagens , deixem-me descrever o  principal, ou seja: o Snr. Carlos; assim se chamava o viajante que é o centro da história.

O Snr Carlos (a partir de agora "o viajante") era um colosso com 2 metros de altura e o restante físico a condizer, que é como quem diz, um autêntico Hercules, mas em ponto grande. Recordo ainda, como me agarrava nos braços  me atirava ao ar (apesar dos meus desenvolvidos sete anos) e me voltava a segurar como se de uma pena se tratasse. Pois bem, o viajante era de uma simpatia e delicadeza excepcionais, sempre sorridente com todos, e um ar bonacheirão altamente cativante.

 

A história começa num dia pequeno e frio de meados de Outono (tempo de agua-pé nova) em que o viajante seguindo a sua rotina habitual começou a visitar clientes na entrada das Fazendas, tais como A Brasileira, o Augusto Brito, o Custódio Tomé e tantos outros e em todos provando a agua-pé e o vinho novo.

Quando chegou às lojas do canto de Nova Lisboa (de onde sou oriundo) o viajante já vinha bem carregado não deixando por isso de provar mais um branco do meu vizinho e concorrente, até porque, só lhe faltava fazer mais um cliente, (por sinal no canto mais complicado) no Canto do Costa.

Convém esclarecer desde já, que todos os cantos tinham os seus grupos de homens jovens e rapazes que formavam a guarda pretoriana do bairro, ou seja: quando houvesse confusão com alguém de fora do canto, era um por todos e todos por um , sendo o Canto do Costa o mais aguerrido.

 

Nesse dia, quando o viajante aportou ao Canto do Costa, já bem bebido, os rufiões lá do Canto pensaram em dar uma tareia ao pi-pi, pois andar ali um matulão de gravata era tido como provocação, logo, gravatistas não eram tolerados. E vai daí, encorajados pelo ar sorridente e calmo do viajante e pelo aspecto algo bebido e cambaleante reuniram-se 5 ou 6 e começaram a provocar o pi-pi.

Em má hora o fizeram, já que mesmo todos juntos, levaram uma monumental tareia, e quando pediram reforços a alguns que estavam em casa, a cena repetiu-se, ou seja: quantos vieram, quantos levaram porrada da grossa, pois cada murro daquela bizarma  arrumava o adversário. Não se pense que eram uns adversários quaisquer! Pontuavam ali brigões de certo estatuto como os Coelhos, o Caramelo Rato os Moreiras e outros que tais. Um deles, o  Felício, levou um directo que não se levantou mais. Diz-se que foi tamanha a colhida que preferiu apreciar deitado o tratamento que era dado aos outros.

 

Terminada a briga, cada um ficou a lamber as feridas e o viajante regressou a Santarém como se nada se tivesse passado. Sucede porém, que os do Canto do Costa não gostaram de ser sovados por um só elemento, e durante a semana reuniram reforços, contaram com a solidariedade de alguns elementos do Canto de Nova Lisboa,  e, agora com om grupo mais numeroso  esperaram o viajante na taberna da minha mãe para um acerto de contas. É claro que os que tinham levado mais na anterior refrega não se afoitaram muito, mas, os do Canto de Nova Lisboa nem lhe deram tempo a que desmontasse da bicicleta; derrubaram o colosso e todos juntos deram tamanha tareia ao viajante que o pobre ficou se m casaco, sem gravata, com a camisa toda rasgada e até a pasta com os recibos e o dinheiro andou em bolandas. (Nota: não faltou um tostão da cobrança nem tão pouco qualquer documento, já que, apanhamos todos os documentos e dinheiro que entretanto se havia espalhado).

 

Terminada a refrega, e enquanto o viajante se levantava com o corpo todo amassado, foi avisando: ainda me hão-de pagar pois quando vos encontrar, nem que sejam 5 ou 6 de cada vez eu acerto-lhes o paço. Nisto, um dos que tinha participado na briga receando novo confronto com o viajanter disse logo: tá a ouvir, olhe que eu só lhe dei um pontapé.

O viajante tranquilizou-o; eu bem vi quem é que me bateu, e você seu rebuçado(referia-se ao Caramelo) vai-me pagar a dobrar.

 

O viajante, para ser ressarcido dos prejuízos, (casaco, gravata e camisa) apresentou queixa na GNR de Almeirim contra os que lhe tinham armado a emboscada; dos doze nomes constantes figuravam um grande número de brigões do Canto do Costa e do Canto de Nova Lisboa .

No dia aprazado para comparecer perante o cabo da Guarda, lá estavam todos com cara de funeral, pois pagar uma camisa, um casaco, uma gravata e talvês ser engaiolado, não era uma perspectiva agradável.

Depois das identificações, o cabo da Guarda perguntou ao viajante: então Snr. Carlos, o que é que o Snr, quer que eu faça aos homens? O viajante reflectiu e disse: eu não quero saber do casaco nem da camisa ou da gravata, o que eu quero é, que o Snr feche comigo dentro de uma cela, dois de cada vêz. Perante tal possibilidade, o I Felício lembrando-se do coice que tinha levado na primeira refrega disse: o nosso cabo dá-me licença que sente, porque já me estão a passar coisas pela vista?.

 

O cabo da Guarda, que era homem sensato, lá arrumou a coisa com uma multa de 80$50 a cada um e  o caso ficou arrumado por ali.

 

Saíram todos aliviados do Posto da GNR por a coisa ter ficado melhor do que pensavam e foram todos comemorar para a taberna do Zé Carapinha e todas aquelas que encontraram no regresso a pé para as Fazendas.

 

Claro que, quando saíram da ultima taberna já era noite e todos de ranchada lá vieram em direcção às Fazendas. Como se disse de inicio, as ruas eram de terra batida e a estrada principal (assim era chamada a estrada de acesso das  Fazendas a Almeirim)  era de macadame. Por altura de onde era a fábrica do pó, um deles ficou para trás a urinar enquanto o grupo continuou a andar. Quando terminou de urinar, o homem começou a correr para alcançar  o grupo, só que, os outros ao ouvirem tamanha corrida deram o grito de alerta; fujam que vem aí o viajante. O medo que tinham do viajante era tal, que todos se dispersaram a correr em direcção às Fazendas, mas, não o fizeram pela estrada; fizeram-no por detrás dos casais que existiam a ladear a estrada, o que motivou ferozes perseguições por parte dos cães de guarda , misturados com alguns tiros de caçadeira dos donos dos casais.

 

Por volta das dez da noite, o grupo muito desfalcado  lá chegou à taberna do Canto de Nova Lisboa contando como tudo tinha acontecido, muito embora com algumas fanfarronadas à mistura e a promessa de que brigas com o viajante não haveria mais.

 

Conclusão: o viajante na semana seguinte regressou ao seu trabalho como se nada se tivesse passado, e creio que algumas semanas depois já se bebiam uns copos juntos.

 

Esta é uma história simples da gente simples cá do meu bairro (perdão; cá do meu canto).

publicado por etario às 23:17
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. ...

. PRIVATIZAÇÕES

. A BEM DA NAÇÃO

. FEUDALISMO

. ORDEM DOS ADVOGADOS

. DARDOS/HIPOCRISIA

. INCÊNDIOS

. Dardos

. POBRE POVO

. Respeito

.arquivos

. Abril 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds