Quarta-feira, 12 de Maio de 2010

Austeridade

As medidas de austeridade anunciadas pelo Governo Espanhol com a finalidade de fazer face à crise interna, como é sabido, é um recado, ou uma ordem de Bruxelas via UE (União Europeia).

 

E isso é, o prenúncio do que a seguir inevitavelmente se aplicará  a Portugal.

Quer dizer, as medidas de austeridade que os Governos destes dois Países (por acaso ambos socialistas) não conseguiram de moto próprio implementar, por receio da perda de votos, é agora uma imposição das instâncias Europeias.

 

Sou dos que entende que, as pessoas deviam ser chamadas à responsabilidade pelos seus erros, quer por acção ou omissão.

Se é um facto que a crise existiu e, com isso a economia dos Países foi abalada, não é menos verdade que o rigor nos custos e  os erros cometidos na gestão da coisa pública foram tantos e tão graves, que se impunha um apuramento de responsabilidades.

 

Se com tanto afã se continua a perder tempo e verbas com uma comissão de inquérito ao caso da hipotética compra da TVI pela PT, sabendo-se de antemão que o resultado dessa comissão será um inconclusivo relatório, porque não se apuram as responsabilidades daqueles que sem rigor esbanjam o que é de todos?

 

É que, os que pagam impostos têm o direito de saber onde e como é aplicado o dinheiro que com tanto sacrifício entregam nos cofres do Estado.

Tendo igualmente o direito de saber a razão e a medida exacta da falta de liquidez das contas públicas.

 

 

O comum cidadão pagador de impostos, não entende como se pode auferir vencimentos milionários só pelo facto de ser,  ou ter sido político, e que, esses vencimentos milionários provenham de empresas públicas, ou outras com elas conotadas. De igual modo não entende que, apesar das leis anti derrapagem  os investimentos públicos nunca cheguem ao fim respeitando os preços inicialmente previstos.

 

Bem como, não se compreende que na gestão das despesas de alguns Ministérios não haja uma política de rigor, evitando com isso, o esbanjamento de milhões de euros da coisa pública.

 

 

Correndo o risco de me repetir, insisto que existem funcionários públicos que não são pagos em função dos conhecimentos e trabalho que produzem ao serviço da coisa pública.

 

Ao invés, outros há que, por tendência ou obediência a chefias incompetentes, "ou a  princípios políticos de quanto pior melhor", pouco ou nada produzem, comportando-se como parasitas do esforço daqueles outros, mas com a garantia de que o seu vencimento não será proporcional ao desempenho laboral. Quer dizer, por teimosia dos sindicatos da função pública e das suas políticas colectivistas, o funcionário público zeloso e eficiente é ao nível salarial equiparado com o sorna e desinteressado.

 

Como se pode pedir então sacrifícios, para além daqueles que já são feitos ininterruptamente, a quem jamais fez outra coisa que trabalhar e pagar impostos?

Como se pode pedir a um trabalhador (que não seja o tal sorna da função Pública ao serviço e ordem do sindicato) que desde sempre tem trabalhado, pagado os seus impostos não usufruindo de qualquer regalia estatal; que não usufruiu de ordenados milionários pagos por qualquer empresa ou organismo público, que faça um esforço suplementar para pagar os desmandos dos Governantes?

 

Vejo estas medidas como abusivas e ofensivas do direito de quem trabalha e cumpre os seus deveres sociais, já que, não se destinam a um esforço Nacional para o bem colectivo, mas sim, para equilibrar as finanças públicas para que os Governantes possam continuar a esbanjar sem serem chamados à responsabilidade pelos atentados económicos que cometem, por acção e omissão.

publicado por etario às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De carlos bento a 14 de Maio de 2010 às 10:40
Pois e'; Quem foi militar, nunca e esquece do mote:
QUANDO O MAR BATE NA ROCHA QUEM DE LIXA E' O MEXILHAO.
Parabens pelo artigo e eloquencia.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. ...

. PRIVATIZAÇÕES

. A BEM DA NAÇÃO

. FEUDALISMO

. ORDEM DOS ADVOGADOS

. DARDOS/HIPOCRISIA

. INCÊNDIOS

. Dardos

. POBRE POVO

. Respeito

.arquivos

. Abril 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds