Sábado, 23 de Maio de 2009

LIÇÃO DE VIDA

Por vezes, levamos um tal banho de orgulho, que nos faz a pensar: como é possível que determinados entes, e em determinadas circunstâncias, façam dele o seu único capital anímico.

 

 No meu rotineiro caminhar, de regresso dos meus afazeres, deparava quase todas as noites  com um sem abrigo deitado " pelo menos tentando dormir" sobre uma pedra de cantaria de montra de um grande Banco, situado na Avenida da Liberdade em Lisboa, junto a uma saída do Metro do Marquês de Pombal. A dita pedra, sobressaía não mais de 40 cm e situava-se a um metro do solo. Como mantas de agasalho, tinha uns cartões que aproveitava das embalagens dos estabelecimentos circundantes.

 

Chegado o frio das noites de Inverno, o cenário era exactamente igual, ou seja, a pretensa cama era a mesma, e os  agasalhos continuavam a ser os cartões. Confesso,"sem pretensiosismo" que, protegido por um casaco de abafo me sentia algo desconfortavel ante a situação contrastante de frio  do pobre homem.

Assim. na tarde seguinte, levei de casa um saco cama isolado termicamente, e no regresso das aulas indaguei se ele não se sentiria melhor com o saco cama. Tive o cuidado de o fazer sem ninguém a observar para que ele não sentisse qualquer constrangimento em receber a oferta; foi ainda minha intenção fazê-lo de molde a que ele não sentisse que lhe estava a dar uma esmola, mas sim, a ser solidário com a sua situação.

 

Na verdade, o homem reagiu com agressividade dizendo-me que não precisava daquela porcaria para nada e que não recebia esmolas fosse de quem fosse!

Fiquei atónito a olhar para ele sem saber se haveria de deixar mesmo assim, o referido saco cama.

 

Não o deixei, e acabei por dá-lo a um sem abrigo, que embriagado e gelado dormia no exterior da estação de Santa Apolónia, e, nem se apercebeu da oferta.

 

Confesso, que a reação do primeiro me deixou perplexo e a cogitar se eu não teria sido suficientemente subtil para proceder à oferta sem que o homem pensasse que era uma esmola; mas não! Descobri alguns dias depois, que o sem abrigo que rejeitou o saco cama havia sido um homem de negócios com escritório instalado numa zona rica da cidade e por razões diversas perdera tudo, sendo abandonado pela família, ou tendo-a ele abandonado, acabou na rua.

 

Ficou-me pois esta lição de vida; o homem perdeu tudo, mas, uma coisa não conseguiram tirar-lhe; o seu orgulho; esse, estava ali na plenitude da sua reação, e como demonstração de que, tal como o pensamento, o orgulho é algo de que não nos podem desapossar.

 

 

 

 

publicado por etario às 01:11
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. ...

. PRIVATIZAÇÕES

. A BEM DA NAÇÃO

. FEUDALISMO

. ORDEM DOS ADVOGADOS

. DARDOS/HIPOCRISIA

. INCÊNDIOS

. Dardos

. POBRE POVO

. Respeito

.arquivos

. Abril 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds